empty
 
 
Bancos suíços UBS e Credit Suisse retomam negociações

Bancos suíços UBS e Credit Suisse retomam negociações

Segundo a Bloomberg, os gigantes bancários suíços, UBS e Credit Suisse, podem criar um conglomerado este ano. A questão de um possível empate abordada em 2020, mas as partes não chegaram a uma decisão final.

No ano passado, o UBS surgiu com a ideia de um grupo empresarial combinado. Desta vez, foi o Credit Suisse que expressou forte interesse em uma potencial parceria. Anteriormente, a empresa perdeu bilhões devido ao colapso dos fundos hedge dos EUA. A administração do Credit Suisse, a segunda maior holding financeira da Suíça, decidiu que a melhor maneira de cobrir perdas é uma fusão corporativa.

A união com o UBS é uma das estratégias do novo presidente do Credit Suisse, Antonio Horta-Osorio, observa a Bloomberg. Após assumir o cargo no final de abril, ele anunciou sua intenção de se concentrar na limpeza que encolheria o balanço do Credit Suisse e reduziria o capital alocado ao banco de investimento, bem como a venda de uma parte do negócio.

No entanto, uma fusão entre os dois gigantes provavelmente enfrentará grandes barreiras regulatórias. Em primeiro lugar, o UBS precisa fechar sua filial na Suíça. Outra dificuldade é que o órgão regulador bancário suíço está passando por uma mudança em sua liderança. Especialistas não excluem a possibilidade de que a nova gestão não aprovará o negócio. Os analistas acreditam que esta fusão pode perturbar o equilíbrio do setor de banco de investimento do país e afetar os bancos europeus.

Notavelmente, as dificuldades financeiras do Credit Suisse resultam do colapso de dois fundos de hedge - o Greensill Capital e o Archegos Capital. Anteriormente, o conglomerado financeiro concedeu um empréstimo de US$ 140 milhões à Greensill Capital, que mais tarde entrou com um pedido de insolvência. Quanto à Archegos Capital, o Credit Suisse atuou como seu corretor. No final de março de 2021, a empresa iniciou uma venda de seus ativos em situação de incêndio. Como resultado, o conglomerado suíço sofreu um prejuízo de US$ 4,7 bilhões devido ao seu relacionamento com a conturbada empresa de investimentos.

Back

See aslo

Não pode falar agora?
Faça sua pergunta no chat.