empty
 
 
28.03.2023 03:57 PM
EUR luta para subir frente ao USD.

This image is no longer relevant

Na sexta-feira, a moeda única europeia caiu quase 0,7% em relação à divisa americana, para 1,0760. O par EUR/USD fechou na zona vermelha pelo segundo dia consecutivo.

O movimento corretivo do par parecia bastante natural, uma vez que subiu constantemente cinco dias seguidos, tendo avançado em 280 pips.

Esta dinâmica ascendente poderia ser explicada pelo fato de que os investidores estavam vendendo a moeda americana antes da reunião do Fed em março.

Um ano depois que o regulador lançou sua campanha para conter a inflação através do rápido aumento das taxas de juros, ele enfrentou um dilema. Por um lado, a economia nacional continua a trabalhar além de sua capacidade, indicando um novo aumento de preços. Por outro lado, a economia já está começando a ceder, dada a turbulência bancária que recentemente abalou os mercados.

As expectativas de um aumento das taxas nos Estados Unidos diminuíram acentuadamente em meio ao colapso de três bancos regionais. Antes desses eventos, as autoridades do FOMC estavam previstas para continuar, ou mesmo intensificar, os esforços para aumentar as taxas de juros e conter a inflação.

As preocupações com o estado do sistema bancário americano lançaram uma pesada nuvem sobre os mercados, e a incerteza em torno da próxima decisão do Fed foi uma das maiores desde que a pandemia da COVID-19 levou a cortes emergenciais das taxas em 2020.

O próprio Fed se encontrou entre dois incêndios: a necessidade de reduzir a inflação e os riscos para a estabilidade financeira.

Após analisar a reação do banco central americano durante os choques financeiros passados, os economistas do Goldman Sachs chegaram à conclusão de que o órgão regulador manterá o status quo.

"O registro histórico sugere que o FOMC tende a evitar apertar a política monetária em tempos de estresse financeiro e prefere esperar até que a extensão do problema se torne clara, a menos que esteja confiante de que outras ferramentas de política conterão com sucesso os riscos para a estabilidade financeira", disseram eles.

This image is no longer relevant

Como a sabedoria de outra rodada de aperto do Fed foi posta em questão à luz da recente turbulência no setor bancário, o dólar americano ficou sob forte pressão.

O índice do dólar americano caiu para um mínimo de sete semanas de 102,70, em antecipação à decisão do Fed sobre as taxas.

Era óbvio que o órgão regulador não tinha opções fáceis.

Por um lado, a pausa poderia sinalizar que o Fed vê problemas que ainda não são visíveis para o mercado. Por outro lado, o aumento das taxas poderia intensificar o tumulto no setor bancário.

Após alguma hesitação, a maioria dos investidores acabou concordando que o regulador americano aumentará o custo do empréstimo em 0,25% na próxima reunião.

Ao mesmo tempo, os participantes do mercado esperavam que o regulador pudesse mudar seu tom de falcatrua para um mais suave e estavam esperando por dicas dele sobre planos para a política monetária.

Os traders se concentraram em previsões atualizadas das mudanças futuras das taxas.

Os estrategistas do CIBC Capital Markets sugeriram que o caminho de menor resistência do regulador era manter suas previsões inalteradas. Na opinião deles, este curso de ação parecia bastante razoável, dado que os riscos para o setor financeiro doméstico aumentaram.

Alguns especialistas até admitiram que o Fed poderia suspender a publicação de previsões, como em março de 2020, quando Jerome Powell disse que devido à pandemia, as perspectivas econômicas estavam mudando a cada dia, e as previsões de vozes pareciam um exercício fútil.

"No ambiente atual, emitir previsões pode simplesmente causar confusão em vez de trazer clareza", disseram os analistas da KPMG.

Conforme o esperado, o Fed, decidiu aumentar as taxas em 25 pontos base.

A projeção mediana dos membros do FOMC para o final de 2023 permaneceu em 5,1%, implicando outro aumento de 25 pontos-base na taxa.

Na conferência de imprensa, Jerome Powell observou que ainda não estava claro quão significativo seria o impacto da contração do crédito sobre a atividade econômica e a inflação e qual seria sua escala e duração. Portanto, o Fed tomará decisões de reunião em reunião.

This image is no longer relevant

Alguns participantes do mercado interpretaram as palavras do presidente do Fed como um possível fim do ciclo de aperto.

O dólar americano continuou a enfraquecer contra seus principais rivais. Na quarta-feira passada, o USDX caiu quase 0,7% para 102,20. Enquanto isso, o par EUR/USD acrescentou cerca de 90 pips e terminou a sessão perto de 1,0855.

"Foi o maior aumento da taxa de inflação que poderíamos imaginar". Os funcionários do FOMC estão tentando avaliar o impacto do súbito aperto da política de crédito sobre o crescimento, o emprego e a inflação. Mas é muito cedo para um bom julgamento. Os membros do FOMC parecem preocupados que o aumento da taxa de zero para quase 5% em apenas um ano possa ser excessivo diante da turbulência financeira. Eles não sabem o quanto isso fará mais do que precisam para esfriar a inflação e esfriar a economia. O objetivo deles é esfriar a economia, e não congelá-la profundamente", explicaram especialistas da KPMG.

Na quinta-feira, a moeda norte-americana caiu para 101,60, atingindo seu nível mais baixo desde o início de fevereiro. No entanto, conseguiu se recuperar e terminou o dia com um aumento simbólico de 0,07%, atingindo 102,25.

Aparentemente, os ursos do dólar decidiram tirar lucro. Entre 16 e 22 de março, o índice do dólar americano caiu mais de 2%.

Além disso, a decisão do regulador norte-americano fez com que alguns investidores se perguntassem por que continua a aumentar as taxas quando os riscos aumentaram no setor financeiro do país.

O presidente do Fed J. Powell justificou parcialmente o aumento das taxas dizendo que o colapso do Silicon Valley Bank é um caso fora do comum, e o sistema bancário como um todo permanece saudável.

Ao mesmo tempo, o chefe do Fed deixou a porta aberta para novas subidas de taxas, se necessário.

"Se precisarmos aumentar ainda mais as taxas, nós o faremos", disse Jerome Powell.

O Fed acabará lidando mais com uma economia forte na primavera e no verão e não se preocupará tanto com o estresse financeiro como agora, disse o presidente do Fed de St. Louis James Bullard na sexta-feira.

Sob este cenário, a taxa principal do Fed deve subir para 5,50-5,75% até o final de 2023, uma faixa que exigiria mais três aumentos de um quarto de ponto em relação ao nível de 4,75-5,00% estabelecido pelo banco central dos EUA na última reunião.

This image is no longer relevant

O presidente do Federal Reserve Bank de Atlanta, Rafael Bostic, observou que a decisão de aumentar a taxa não foi fácil para o regulador.

"Houve muito debate. Esta não foi uma decisão direta", disse ele.

"No final das contas, o que decidimos foi que havia sinais claros de que o sistema bancário é sólido, os esforços que o Fed fez com o Tesouro e o (Federal Deposit Insurance Corporation) para lidar com as dificuldades desses bancos parecem ser funcionando, e com isso como pano de fundo, a inflação ainda está muito alta", disse Bostic.

"Há sinais claros de que o sistema bancário está são e salvo. A inflação ainda está muito alta, o Fed precisa se concentrar nisso. Há confiança de que o banco central conseguirá lidar com os problemas do setor bancário. O regulador deve controlar a inflação. Não espero que a economia entre em recessão", acrescentou.

Comentários positivos de funcionários do FOMC ajudaram o dólar a estender a recuperação anterior na sexta-feira. O índice do dólar americano subiu mais de 0,5%, para 102,80.

No entanto, o par EUR/USD caiu 70 pips após uma queda de 25 pips na quinta-feira.

Apesar do último ataque de fraqueza, o euro permaneceu como um dos líderes entre as moedas do G10 nas negociações semanais anteriores.

O euro registou um crescimento semanal pela quarta semana consecutiva, tendo ganho mais de 0,8% face ao seu homólogo americano.

Os estrategistas do Nomura acreditam que o euro deve se beneficiar de uma postura menos agressiva do Fed e da perspectiva de que o BCE continuará a aumentar os custos dos empréstimos.

"Permanecemos comprados em EUR/USD com um alvo em 1,1100 no final do segundo trimestre e não vemos a recente ação do preço como o início de uma nova tendência", disseram eles.

Já no início da nova semana, o principal par de moedas voltou ao território positivo com o dólar americano sob pressão.

Os participantes do mercado tomaram conhecimento dos comentários da FRB do presidente de Minneapolis, Neel Kashkari.

Os problemas dos bancos americanos aumentaram os riscos de uma recessão nos EUA, mas é muito cedo para avaliar suas consequências para a economia e para a política monetária, disse ele no fim de semana.

"Até agora, não podemos dizer até que ponto os problemas dos bancos levarão a uma restrição generalizada de empréstimos. Isso desacelerará o crescimento econômico? Estamos acompanhando isso muito, muito de perto. É muito cedo para fazer previsões sobre a próxima reunião de taxas", disse Kashkari.

O Fed carrega principalmente riscos negativos para o dólar, já que a falta de comunicação clara deixa a porta aberta para especulações dovish, disseram economistas do ING.

"Os custos de empréstimos dos EUA devem cair cerca de 90 pontos-base a partir de julho, e as mensagens ambíguas do Fed estão fazendo muito pouco para contrariar essas expectativas", disseram.

This image is no longer relevant

"Apesar de continuarmos com a opinião de que o par EUR/USD sobe em meio a divergências na política monetária, um alerta foi emitido na última sexta-feira para não tirar conclusões precipitadas de que esta crise bancária está se tornando história apenas para os EUA. Portanto, em uma tendência de alta linear no EUR/USD", acrescentou ING.

"No entanto, o impulso do par para 1,1000 nas próximas semanas continua sendo uma oportunidade muito tangível. Nesta semana, um novo teste do nível de 1,0900 já será um sinal muito encorajador para os touros do EUR/USD", acreditam os especialistas do banco.

Na segunda-feira, o principal par de moedas avançou 0,3% e se aproximou de nível 1,0800. Nesse ínterim, o dólar perdia cerca de 0,2%, pairando próximo de 102,60.

Por um lado, o USD é forçado a recuar, pois as preocupações com a saúde do setor bancário global estão enfraquecendo.

O último período de fraqueza do euro foi alimentado por preocupações de que a recente série de falências bancárias se espalharia para o Deutsche Bank depois que o custo do seguro de falência bancária disparou.

"Continuamos inclinados para a visão de que os recentes problemas bancários são atribuíveis a alguns bancos específicos. As preocupações com os riscos sistêmicos são exageradas", afirmam os especialistas do Danske Bank.

"Estamos relativamente calmos devido às fortes posições de capital e liquidez do Deutsche Bank. Não temos preocupações sobre a viabilidade ou marcas de ativos do Deutsche Bank. Para ser claro, o Deutsche Bank não é o próximo Credit Suisse", disseram estrategistas da Autonomous Research.

Por outro lado, a incerteza sobre os próximos passos do Fed está ajudando o USD a se manter à tona.

Analistas do Credit Agricole não recomendam vender o dólar até que o Fed termine de aumentar as taxas.

"A análise da dinâmica do dólar durante os últimos seis ciclos de aperto do Fed desde 1980 mostrou que os investidores não devem vender o dólar até que o órgão regulador termine de aumentar as taxas. O fato é que a combinação do aumento contínuo das taxas do Fed e o aumento dos riscos de recessão deram ao dólar um impulso moderado", observaram eles.

Se os touros do dólar não conseguirem recuperar o controle da situação, o dólar pode desafiar as mínimas recentes na área abaixo de 102,00 (datado de 23 de março). Perdas adicionais podem levar o par à mínima de 100,80 (2 de fevereiro).

"Se o dólar quebrar abaixo de 100,80, é provável que a tendência de baixa se intensifique. O próximo suporte potencial está em 100,00 e depois em 98,90", disse o Société Générale.

É provável que os mercados continuem sujeitos a incertezas a curto prazo, o que apoiará o dólar como moeda segura. No entanto, as perspectivas de longo prazo para o dólar permanecem duvidosas à medida que as taxas de juros diminuem em ambos os lados do Atlântico, dizem os economistas do Scotiabank.

"O aperto do crédito retardará o investimento e o crescimento dos negócios, e ainda pensamos que existe o risco de que a inflação americana comece a diminuir mais obviamente no próximo mês ou dois. O Fed pode ter mais um aumento, mas não está nada claro se haverá mais 75 bps de aperto no futuro", disseram eles.

O EUR/USD se estabilizou após encontrar suporte no limite inferior da faixa de 1,0700-1,0800. O par pode iniciar outro ciclo de alta em uma quebra acima de 1,0785, segundo o Scotiabank.

"A alta do euro acima de 1,0785 dará aos touros um pouco mais de força. A principal resistência é a área de $1,0930, a alta da semana passada", disseram os especialistas do banco.

Viktor Isakov,
Especialista em análise na InstaForex
© 2007-2024
Ganhe com as variações das taxas das criptomoedas com a InstaForex.
Baixe o MetaTrader 4 e abra a sua primeira operação.
  • Grand Choice
    Contest by
    InstaForex
    InstaForex always strives to help you
    fulfill your biggest dreams.
    PARTICIPE DO CONCURSO
  • Chancy Deposit
    Deposite US $ 3.000 em sua conta e receba $4000 mais!
    Em Julho nós sorteamos $4000 na campanha Chancy Deposit!
    Tenha a chance de ganhar, depositando $3,000 em sua conta de negociação. Após cumprir essa condição, você se torna um participante da campanha.
    PARTICIPE DO CONCURSO
  • Trade Wise, Win Device
    Abasteça a sua conta com pelo menos $500, inscreva-se no concurso e tenha a chance de ganhar dispositivos móveis.
    PARTICIPE DO CONCURSO
  • Bônus de 100%
    Sua oportunidade única de receber um bônus de 100% em seu depósito
    RECEBA O BÔNUS
  • Bônus de 55%
    Solicite um bônus de 55% em cada depósito
    RECEBA O BÔNUS
  • Bônus de 30%
    Receba um bônus de 30% toda vez que você fizer um depósito em sua conta
    RECEBA O BÔNUS

Recommended Stories

Não pode falar agora?
Faça sua pergunta no chat.
Widget callback